Coronavírus: planos de saúde começam a se preparar para atender pacientes

Depois da confirmação do primeiro caso do coronavírus (Covid-19) no Brasil, empresas já começam a se movimentar para atender os beneficiários com suspeita da doença e tirar dúvidas sobre o vírus

Na última terça-feira, 25 de fevereiro, foi confirmado pelo Ministério da Saúde o primeiro caso do coronavírus (Covid-19) no Brasil. O paciente é um homem que mora em São Paulo, tem 61 anos e veio recentemente de uma viagem a trabalho da Itália. Esse é o primeiro caso da doença no país e em toda a América Latina.

Em coletiva realizada com a grande imprensa, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que o idoso estava sem nenhum sintoma da doença e, depois de alguns dias após voltar de viagem, procurou um serviço de saúde com sintomas respiratórios. Antes de comparecer ao hospital, o paciente havia participado de uma reunião familiar com 30 pessoas, que agora estão sendo observadas pelo Ministério.

De acordo com Mandetta, as pessoas que estavam no avião com o homem diagnosticado com o coronavírus não serão colocadas em quarentena. Contudo, alguns viajantes devem ficar atentos aos sintomas. A partir da poltrona onde o paciente viajava, serão monitorados os passageiros dos lados e das duas fileiras à frente e atrás.

O paulistano veio no voo AF 454 da Air France, que deixou Paris em 20 de fevereiro e chegou ao aeroporto de Guarulhos em 21 de fevereiro. A companhia aérea afirmou ter sido notificada pela Anvisa.

Operadoras de planos de saúde se preparam para orientar beneficiários e profissionais de saúde

Sendo assim, algumas operadoras de saúde já estão preparando um plano de contingência para atender seus beneficiários infectados com o Covid-19 e tirar dúvidas dos pacientes sobre qual a melhorar conduta a ser tomada em caso de sintomas.

Segundo a assessoria de imprensa da Amil, a operadora está preparada para lidar com a chegada do coronavírus no Brasil, alinhada com os protocolos do Ministério da Saúde e em constante acompanhamento das atualizações sobre o tema.

As unidades hospitalares que compõem o grupo estão orientadas quanto ao fluxo de notificação de casos suspeitos às secretarias de saúde e suas equipes receberam treinamento sobre como identificar, isolar e tratar casos suspeitos.

Além disso, uma série de comunicados também estão sendo disparados para colaboradores, pacientes de hospitais e beneficiários do plano de saúde, com explicações sobre formas de transmissão, sinais e sintomas de infecção e dicas de prevenção.

Todas as informações técnicas são acompanhadas e validadas por um comitê formado por médicos infectologistas, especialistas em medicina baseada em evidências e em controle de infecções hospitalares e profissionais de comunicação.

Como se prevenir contra o Coronavírus?

Ao G1, especialistas dizem que a chegada da doença ao país era esperada e que pânico só atrapalha o combate ao Covid-19. O ideal é focar na prevenção e na higiene e seguir as orientações dos órgãos de saúde para evitar a disseminação do vírus.

Dicas de Prevenção

* Cobrir a boca e nariz ao tossir ou espirrar;
* Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
* Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
* Não compartilhar objetos de uso pessoal;
* Limpar regularmente o ambiente e mantê-lo ventilado;
* Lavar as mãos por pelo menos 20 segundos com água e sabão ou usar antisséptico de mãos à base de álcool;
* Deslocamentos não devem ser realizados enquanto a pessoa estiver doente;
* Quem for viajar aos locais com circulação do vírus deve evitar contato com pessoas doentes, animais (vivos ou mortos) e a circulação em mercados de animais e seus produtos.

De acordo com Rosana Richtmann, infectologista do Emílio Ribas e membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), o pânico não ajuda em nada e só atrapalha no combate eficaz ao vírus — que, por ser transmitido por vias respiratórias, é difícil de controlar.

“Temos de encarar, ter responsabilidade e seguir as orientações. Vai haver recomendações, provavelmente novas, sobre isso. O próximo passo é evitar a disseminação”, explica ela.

Fontes: Revista Apólice, Ministério da Saúde e Portal G1

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *