Seguro de vida: Conheça os seis mitos mais comuns

O seguro de vida ainda é pouco utilizado pelos brasileiros. Apenas 15% da população possui um seguro de vida, e, embora a procura por esse produto tenha aumentado durante a pandemia, muita gente não sabe exatamente como ele funciona. Quem pode resgatar? Custa muito caro? Vale a pena? Afinal, o que é mito e o que é verdade quando falamos sobre seguro de vida?

Confira, abaixo, as respostas para algumas das dúvidas mais comuns dentro desse universo.

1 – Seguro de vida só pode ser usado em caso de falecimento?

Mito. A cobertura básica oferecida pelo seguro de vida costuma ser a indenização em caso de morte do titular, mas também é possível, em muitos casos, personalizar o seu plano de acordo com suas próprias necessidades.

Além da cobertura principal do seguro de vida (falecimento do titular), também há planos que incluem:

– Cobertura por invalidez acidental;
– Assistência funeral;
– Despesas médico-hospitalares;
– Diárias por internação hospitalar ou incapacidade temporária;
– Doenças graves, dentre outros casos.

Por isso, engana-se quem pensa que só os beneficiários podem acionar o seguro. Em algumas situações, é o próprio titular quem recebe a indenização. Ou seja: se algo acontecer, você pode utilizar os serviços do seu seguro em vida.

2 – Custa caro?

Mito. Muitas pessoas pensam que contratar um seguro de vida é caro e não compensa. A verdade é que o produto é bem acessível e pode ser customizado com base no seu padrão de vida atual.

O preço de um seguro de vida depende da cobertura que você deseja, além de fatores relacionados ao seu estilo de vida e ao risco que ele representa. Vale dizer, também, que se no futuro você quiser alterar ou adquirir coberturas adicionais, é possível modificar o plano. Mas atenção: fique sempre de olho em custos que podem estar atrelados a qualquer mudança.

3 – Não vale a pena para quem é solteiro e sem filhos?

Mito. Ao contratar um seguro de vida, muitas vezes é possível incluir beneficiários que não sejam seus herdeiros ou familiares. Ou seja: se você é uma pessoa solteira sem dependentes e deseja que alguém receba a indenização do seguro, pode ser possível incluir um amigo, um parente ou até um vizinho.

Vale lembrar que existem situações em que você mesmo pode se beneficiar da cobertura e utilizar a assistência do seguro em vida, como em planos que oferecem cobertura para doenças graves, indenização por internação hospitalar ou mesmo a possibilidade de ter descontos na compra de medicamentos, por exemplo.

4 – Não pode ser cancelado?

Mito. O seguro de vida pode, sim, ser cancelado. O que acontece em alguns casos é que, se o titular deixar de pagar, ele também deixa de ter acesso ao resgate. Isso vai depender das regras do seu plano, por isso é bem importante conferir todas as informações no momento da contratação.

Há situações em que a apólice pode ser modificada ou cancelada, inclusive com recebimento parcial do valor pago.

5 – Seguro de vida é para pessoas mais velhas?

Mito. O seguro de vida é um produto para pessoas de todas as idades. Isso porque a contratação de uma apólice pode ser feita para garantir a tranquilidade financeira do próprio segurado em situações imprevisíveis, como casos de invalidez, doenças graves e tratamentos de saúde.

Em outras palavras, a contratação de um seguro de vida pode ser uma maneira de garantir que, caso aconteça alguma coisa eventualidade e o titular (que também pode ser o beneficiáro) ficar incapacitado de exercer sua profissão, ele não estará desamparado financeiramente.

O mercado de seguros tem crescido muito nos últimos anos. Só em 2020, as contratações individuais tiveram uma alta de 26,2%, segundo dados da FenaPrevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida). Com o aumento da procura, as seguradoras têm investido cada vez mais em oferecer produtos alinhados com o que os consumidores desejam.

6 – Seguro de vida é para quem não tem planejamento financeiro?

Mito. O seguro de vida tem tudo a ver com vida financeira e pode ser encarado como um investimento. Ele é um produto que protege o seu patrimônio e garante tranquilidade financeira para aqueles que você ama.

Assim como vários outros tipos de planejamento financeiro voltados para emergências e imprevistos, ter um seguro de vida pode trazer segurança financeira para você e pessoas próximas caso algo grave aconteça. Isso significa que, se você falecer ou tiver algum problema de saúde grave, seus familiares ou amigos não ficarão desassistidos.

Além disso, a vantagem financeira de ter um seguro de vida é que os pagamentos são previamente planejados, diferentemente de uma situação de emergência, em que você pode ser pego de surpresa e precisar desembolsar um valor muito alto de uma vez só.

* Fonte: O Petróleo

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *